sábado, 20 de setembro de 2008

Por que escrever história?

Inicialmente contava-se e não escrevia-se história, o que, grosso modo, podemos chamar de tradição oral. Esta tradição tinha como principal objetivo transmitir aos integrantes de uma certa comunidade valores da vida moral, religiosa e afetiva de seus integrantes. Com o desenvolvimento da escrita, pela necessidade de se registrar, ou melhor, de controlar a crescente renda dos palácios e templos, nós tivemos uma sensível mudança, pois passou-se a ser real a possibilidade de eternizar o pensamento, a vontade, os feitos e atos.
Nessa perspectiva a escrita da história nasce com um objetivo especifico, o de eternizar o homem, para o homem. Pois a história só faz sentido para o ser humano, visto que somos os únicos seres históricos.
Porém modernamente não podemos afirmar que a historiografia limita-se somente a “eternização”, o que deveras constitui um erro, porque, a muito essa idéia de manter vivo, reviver ou até mesmo entender o passado vem transformando a maneira de ser-mos e viver-mos; um exemplo prático: quando Roma vence Cartago a ação foi destruir completamente, a capital dos vencidos, nada deixar de pé, para que a memória histórica da cidade ainda intacta não acende-se um fogaréu de revoltas mais tarde, uma tentativa angustiada de apagar o passado dos inimigos. Hoje, no entanto, a visão é diferente, durante as guerras o fogo das artilharias que antes não abatiam hospitais e escolas, teve acrescentado os museus e prédios, ditos, históricos. Assim podemos concluir que a resposta para a pergunta só pode ser uma, para a existência de nossa civilização.
(Felipe Nere)

Nenhum comentário: